Técnicas de Estudo

Você compra livros para ler ou enfeitar estante?

Procrastinar, postergar, protelar, embromar é basicamente a mesma coisa. Aliás, deixar para depois é uma das maiores causas dos esquecimentos, assunto que trato em meu livro “Os 10 Hábitos da Memorização”. No caso dos profissionais, deixar para ler depois o que poderia ter lido ontem significar adiar mais uma vez o seu desenvolvimento pessoal. O psicólogo Alessandro Viana fez um ótimo artigo sobre o problema da procrastinação e apresenta ótimas dica de como evitar.

Procrastinar é algo de que pouco se fala, mas que muito se faz. Embora “embromação” possa ser um de seus quase sinônimos populares, a procrastinação vai um pouco além disso. É um comportamento crônico nocivo, embora muito comum.

É aquele hábito de deixar tudo para depois: uma tarefa “chata”, os estudos, o regime alimentar, as práticas físicas, o abandono de um vício, passar a economizar – coisas que sabemos que precisamos fazer, mas que, por inúmeras razões, ficamos adiando; muitas vezes nos enganando com desculpas frágeis e, não raro, falsas.

O procrastinador é alguém faz várias coisas ao mesmo tempo, exatamente para não fazer aquilo que realmente deve ser feito. Quando pensa no que de fato tem de fazer, sente-se preso e sem reação.

As consequências não raro são danosas, especialmente a longo prazo, quando, olhando pra trás, se percebe quanto tempo foi jogado fora por falta de ação objetiva.

Ao deixar de cumprir certas obrigações, decepcionamos alguém e perdemos credibilidade e oportunidades. Isso se percebe claramente na vida conjugal, no convívio familiar e na carreira profissional. Depois ficamos observando a trajetória de outras pessoas, que entraram em forma, ganharam conhecimentos e avançaram profissionalmente.

Quando vejo pessoas querendo empreender grandes mudanças de imediato, sei que estou diante de um procrastinador, porque ele fica inativo por muito tempo e, depois que percebe nos outros o quanto não evoluiu, resolve mudar tudo de uma vez.

É óbvio que não vai conseguir, porque as nossas grandes realizações são conquistadas aos poucos.

Desse modo, novamente derrotada, essa pessoa tende a desanimar e voltar a procrastinar novamente, repetindo um ciclo fadado à infelicidade.

Enquanto procrastina, a pessoa vai absorvendo estresse por uma oculta sensação de culpa, sentindo a sua perda de produtividade e cultivando vergonha em relação aos demais, por não conseguir cumprir seus compromissos.

A formação de um “enrolador” muitas vezes começa na infância. Crianças podem tornar-se procrastinadoras no futuro por conta do tratamento que recebem dos adultos. Daí a conveniência de revermos constantemente as nossas crenças, para nos livrarmos de influências negativas que adquirimos ao longo da vida.

Duas das vertentes mais clássicas são:

- A criança extremamente protegida, condicionada a achar que sempre alguém fará por ela. Quando adulta, ela tenderá, inconscientemente, a sentir-se insegura para agir, por não ter alguém auxiliando-a.

- A criança que é exageradamente cobrada. Ela pode desenvolver a característica do perfeccionismo. Assim, ela tende à procrastinação por acreditar que, mesmo se dedicando, não conseguirá realizar as coisas de modo primoroso – e acaba postergando tudo o que acha importante.

Tratamento
A procrastinação crônica é quase sempre associada a alguma disfunção psicológica ou fisiológica. Portanto, é passível de tratamento.

Quando recebo pacientes procrastinadores, incluo no tratamento algumas recomendações que ajudam muito a livrá-los dessa anomalia. Eis algumas:

- Reconheça, quando está enrolando, que pode haver mais dor em procrastinar do que em realizar a tarefa. Muita coisa é menos complicada do que parece ser.

- Não deixe aquele afazer chato por último, para que ele não se torne urgente e o apavore ainda mais.

- Experimente a sensação de alívio e o fortalecimento da auto-estima após concluir uma tarefa e perceba que livrou-se dela de maneira positiva, enfrentando-a.

- Para encorajar-se, pense no que vai deixar de ganhar ou no que pode perder caso não realize essa atividade. Se puder escrevê-las e avaliá-las seriamente, melhor.

- Se a tarefa for muito trabalhosa, divida-a em partes e vá realizando uma a uma, com um pequeno intervalo entre elas, e comemorando (sim!) a última concluída.

- Abra-se para o novo, deixando de agarrar-se às velhas experiências e crenças. O passado não volta mais; o presente é continuamente feito de novos desafios e o futuro é construído passo a passo pelas ações do presente.

- Quando perceber que está querendo procrastinar de novo, proponha-se a atuar por apenas alguns minutos na ação que está tentando evitar. Pode ser que você perceba que não é tão desagradável quanto pensava e venha a vencê-la (touché!).

- Caso lhe seja por demais desagradável, dê-se uma pausa e passe a fazer algo útil (não pare de agir), mas determine quando voltará ao assunto pendente.

A principal vitória é vencer a procrastinação em si. Trata-se de uma vitória para a vida inteira, como a daquela criança que um dia perde o medo do escuro.

Motive-se: tire aquele livro novinho da estante e comece a ler agora mesmo. Aproveite este momento de leitura para acelerar ainda mais a sua velocidade. Isso mesmo! Ao mesmo tempo em que você lê um texto você pode aproveitar e aplicar os métodos de leitura dinâmica e fazer esta leitura render ainda mais. Um livro por semana? O que acha?

Acesse agora o FastRead e comece a acelerar a leitura agora mesmo.

Vamos diminuir a procrastinação no trabalho e nos estudos.

Tenha ótimas lembranças,
Renato Alves – Recordista Brasileiro de Memória

[ VEJA AQUI COMO FUNCIONA O FASTREAD ]

Sem Comentários mais...

OS 5 PIORES ERROS COMETIDOS POR ESTUDANTES

“Em tempos de crise a melhor saída é passar num concurso e virar funcionário público.”

Este raciocínio simplista habita a consciência da maioria dos candidatos a uma vaga no governo. Mas nós sabemos que passar num concurso não é tão simples assim.

Acontece que a brilhante ideia de passar num concurso não é exclusividade de um, mas de milhões de brasileiros, afinal, quem não gosta da proposta de que, faça chuva ou faça sol, todo mês o salário está na conta?

Mas a realidade mostra uma concorrência agressiva, uma concorrência digamos… eclética.

Aquele rapaz magrelo que instalou a parabólica na sua casa está na briga, aquela atendente simpática da padaria, que só cursou o ensino médio também. Tem o vendedor de carros, o dono da loja de recarga de cartuchos e aquele que jura que um dia será juiz, apesar de escrever “direpente”, “com tigo”, “intendo”. Esse tipo de concorrente, tenho certeza que você tira de letra, mas e os outros? Mas e ex-empresário formado em economia na PUC, o dentista, o engenheiro, o pós-graduado, os doutores e nerds? É bem verdade que concurso público virou uma competição acirrada de tigres ferozes atrás de um pedaço de bife. Para garantir a sua lasca você terá que rachar de estudar.

Ficou assustado? Não é para tanto. Você tem chances reais de aprovação, porque a maioria dos seus concorrentes cometem sempre os mesmos erros. Se você fizer a coisa certa, terá tudo pra dar certo.

Preparei um roteiro com os erros mais comuns cometidos por estudantes durante a preparação em provas, vestibulares e concursos. Se você tiver o cuidado de não cometê-los, aumentará consideravelmente suas chances de aprovação. Veja abaixo quais são:

1 – Falta de planejamento.

Olhar para uma pilha de livros e perguntar: Deus, por onde eu começo? Tem algo mais desanimador para quem estuda? É absurdo, mas apenas 2% dos estudantes brasileiros seguem um planejamento de estudo, o famoso, Plano de Estudo. Um bom plano de estudo é como um mapa que o ajuda a determinar:

- Quantas matérias você pode estudar por dia;
- A carga horária ideal para a semana;
- O ciclo de estudo satisfatório para manter os estudos em dia;
- Um bom método de monitoramento de resultados.

Fazer um Plano de Estudo é como ir a uma alfaiataria, tem que ser sob medida. Não adianta ficar garimpando na internet modelos de plano de estudo. O que serviu para a aprovação de outras pessoas com certeza não servirá para você, porque são métricas diferentes. É preciso personalizar o seu sistema de estudo para que ele realmente tenha o efeito esperado: sua aprovação!

2 – Reclamar das matérias.

Você aprendeu a montar um Plano de Estudo, certo? Mas quando começa a estudar fica xingando as matérias. Então voltou a estaca ZERO. Reclamar das matérias é um tiro no pé, porque fazendo isso você automaticamente ordena ao cérebro o bloqueio da aprendizagem. Outro dia uma aluna me disse que detestava estudar Machado de Assis e não entendia porque precisava ler aqueles textos “chatos” para o vestibular de medicina. Perguntei como ela pretendia passar no vestibular de medicina da USP, lendo gibis da turma da Mônica? O professor oferecia o melhor, ela reclamava, porque queria o mais fácil. Você não pode reclamar das matérias e sim descobrir o que o impede de gostar. Dominar um texto de qualidade desenvolve seu sistema cognitivo e prepara você para dominar qualquer outro tipo de texto. Então a pergunta que cabe neste ponto é: Você sabe estudar? Quando não sabemos estudar acabamos colocando a culpa na matéria.

3 – Deixar dúvidas para trás.

Estudar a matéria, fechar o livro, olhar no espelho e ver aquela cara de ponto de interrogação é frustrante, concorda? Muitos estudantes se permitem encerrar os estudos com a cabeça cheia de dúvidas. Saem da sala de aula com a sensação de estar faltando uma peça do quebra cabeças.
Nunca permita isso! Pintou uma dúvida, corra, pesquise, pergunte, desvende-a. Seja obcecado por elucidar dúvidas. Hoje você tem todo conhecimento produzido pela humanidade na ponta dos seus dedos, frequente fóruns de discussão, blog, converse com professores e especialistas.

4 – Ignorar a importância da memória.

Certo, agora você é um expert em tirar dúvidas, segue um mapa de estudo e ama estudar todos os tipos de matéria. Mas pergunto, e a memória? Tem algum conteúdo na memória?
Conheço muitos estudantes que são feras em memória de curta duração. Na sala de aula, nos estudos sabem tudo, meia hora depois não se lembram de nada!

Um dos erros mais graves que um estudante pode cometer é subestimar a importância da memória no processo de preparação. Pesquisas mostraram que é a memória quem derruba a maioria dos estudantes. Ela é a base da inteligência, fornece matéria prima para o raciocínio e consolida todo conhecimento absorvido nas horas de estudos. É também a memória que lhe entregará de bandeja no momento da prova tudo o que você aprendeu. Se você não memoriza a longo prazo aquilo que estudou, dificilmente conseguirá lembrar. Não lembrando-se, ficará ansioso e a ansiedade, adivinhe, vai agravar ainda mais o branco na memória. É preciso incluir as técnicas de memorização no seu pacote de habilidades mentais.

5 – Ser um eterno estudante do fundamental.

Você já reparou que a maioria dos estudantes de vestibular e concurso estudam da mesma forma que faziam quando estavam no fundamental. Leem, releem, anotam, esquecem, leem tudo de novo… Se olhar com uma lupa, notará que o sistema de estudo que você utiliza talvez ainda seja o mesmo que utilizava na quinta série, ou seja, as matérias mudaram, mas o jeito de aprender continua o mesmo. A forma de aprender mudou, porque o mundo mudou. Hoje temos acesso a informação, as formas de avaliação mudaram e o peso das habilidades cognitivas é maior. Por exemplo: Algumas provas a redação é mais importante do que o conhecimento específicos das regras gramaticais. Em outras a habilidade de se expressar verbalmente é o que conta mais pontos. Um estudante moderno não é aquele que estuda com um tablet nas mãos, mas aquele que conta com um leque de habilidades mentais que o ajudam a aprender apesar da complexidade do mundo. Permita-me um conselho: invista o que puder em novas habilidades e você será um candidato bem acima da média.

Resumo:

Dizem que os maiores erros cometidos pelos estudantes é o de deixar o celular ligado, estudar ouvindo música, vendo televisão, etc… Estes são alguns pecados óbvios e… perdoáveis, digamos assim. O que você precisa investigar é a influencia invisível e sutil dos problemas citados acima. Perguntar a si mesmo porque a aprovação não acontece. Um autoexame responsável e crítico deverá apontar para os problemas como desorganização, desmotivação, medo de perguntar (que gera ansiedade), falhas de memória e esquecimentos frequentes. O mundo mudou, a forma de ser avaliado mudou e nossa postura diante dos estudos precisa mudar. Nós estamos vivendo a era do cérebro e não mais dos músculos. Quem vence não é mais o mais forte, e sim o mais rápido, o mais preparado. Você tem mil e um motivos para desejar a aprovação no concurso público, mas como ensina a metáfora do lenhador, é preciso primeiro amolar o seu machado, preparar as ferramentas.

Bons estudos e boa sorte nas provas!

Renato Alves
Recordista Brasileiro de Memória.

Ps.: Se você quiser melhorar agora mesmo as suas habilidades nos estudos e junto com elas dobrar as suas chances de aprovação, acesse este link e conheça os detalhes do Curso de Estudo e Memorização.

QUERO MELHORAR AS MINHAS HABILIDADES – CLIQUE AQUI


8 Dicas Valiosas para melhorar sua capacidade de retenção

Primeiro, vamos entender o que é a memória: a memória é uma das funções mais complexas e importantes do cérebro humano. Atualmente, o ritmo da vida urbana, de muita informação e pouco tempo, seja de quaisquer classes sociais ou faixas etárias, contribui para o surgimento de dificuldades de memorização no trabalho, na vida acadêmica e até mesmo na vida pessoal. E na maioria das vezes essa dificuldade não é causada por doenças cerebrais específicas. Então, qual é o problema que acomete a todos? A resposta é: nada. Tudo é relativo quando se trata da memória.

O que leva a uma boa memorização é um estímulo adequado, em contato com uma pessoa propícia a fixá-lo (descansada, atenta e interessada). Para isso eu reservei 8 Dicas do meu Curso de Memorização para te ajudar a melhorar sua capacidade de retenção:

1 – Ambiente adequado – É muito importante trabalhar e estudar em ambientes apropriados. Silenciosos, iluminados e organizados. Assim o estímulo que interessa se destaca e a memorização é facilitada.

2 – Faça uma coisa de cada vez - Esse é o principal erro. Fazemos várias coisas ao mesmo tempo. Pensamos em diversos problemas e deixamos passar os dados que seriam relevantes. Identifique as prioridades do momento, entre para resolver aquele problema, se desligue do resto. Seguindo essa recomendação você logo perceberá que os episódios de esquecimentos serão cada vez mais raros.

3 – Estar descansado – O bom funcionamento cerebral depende de descanso. Dormir ao menos 8 horas ininterruptas de sono por noite, com qualidade. Tirar férias de tempos em tempos, praticar atividades de lazer. Sem isso o cansaço cerebral te levará aos lapsos de memória.

4 – Boa alimentação – A alimentação influencia na capacidade de memorização. Prefira alimentos de fácil digestão, fracionados durante o dia e em quantidade moderada. Refeição pesada e quantidade exagerada desloca o fluxo sanguíneo para os intestinos e o cérebro fica mais lento e preguiçoso. Para ajudar ainda mais, beba bastante água.

5 – Evite medicamentos para dormir - Muitos remédios para dormir são usados indiscriminadamente. Alguns deles podem afetar um pouco a capacidade de memorização. Use-os com bom senso e sempre com orientação médica.

6) – Exercitar o cérebro - Saia da zona de conforto. Coloque seu cérebro para realizar coisas novas. Faça coisas rotineiras de um jeito diferente, mude os caminhos, a mão que você come e escova os dentes, troque o mouse de lado. Aprenda outra língua, um instrumento, um novo esporte… enfim, seja criativo e exercite seu cérebro como se ele fosse um músculo. Um cérebro treinado é muito mais confiável.

7 – Evite álcool e o cigarro - O álcool é um inimigo da memória. Você passa do ponto e já não fixa nada. A longo prazo o álcool pode levar à atrofia cerebral (redução do tamanho do cérebro) e a quadros graves de esquecimentos. O tabagismo é também um vilão, favorece isquemias cerebrais, mesmo que pequenas e imperceptíveis que com o passar dos anos pode acarretar problemas cognitivos.

8 – Reviva suas boas lembranças - Memórias ligadas a emoção são mais facilmente fixadas. As emoções positivas têm prioridade sobre emoções negativas. Viaje, encontre os amigos, reúna a família, viva com intensidade e otimismo, suas memórias serão mais vivas e resistentes. Recorde sempre das boas coisas que viveu, reveja álbuns de fotografia, vídeos antigos e remonte os momentos na cabeça. Quanto mais vezes algo é lembrado, mais firme fica a lembrança. Com o tempo seu cérebro se empenhará cada vez mais em reter as experiências de vida.

Para saber mais sobre o assunto visite meu site: www.renatoalves.com.br

Um forte abraço,

Renato Alves – Recordista Brasileiro de Memória


O maior erro cometido pelos estudantes


Imagino que como estudante você tenha uma quantidade enorme de matérias para estudar. Estou certo de que você se preocupa com isso, pois o tempo é o seu maior aliado no Projeto de Aprovação.

Resolver o conflito [ muita matéria ] vs [ pouco tempo ] é um desafio que só é vencido por alunos que elaboram e seguem um eficiente Plano de Estudo.

Sabe qual é o pior erro que um estudante pode cometer?

É o de olhar para uma pilha enorme de livros e apostilas e dizer:

“DEUS, POR ONDE EU COMEÇO?”

Acontece que Deus ficará em silêncio. Porque é você quem deve saber quais são as suas métricas de aprendizagem, não Ele!

É desanimador ver estudantes que não sabem sequer por onde começar.

Seus concorrentes, acredite, enfrentam o mesmo problema. Deixe-me compartilhar um segredinho de uma pesquisa feita nos últimos 10 anos:

Apenas 2% dos estudantes seguem um roteiro de estudo!

Você sabe o que isso significa? 98% dos seus concorrentes talvez estejam tão perdidos quanto você! Enxerga aqui uma oportunidade?

Num concurso com 100/2, isto é, 100 candidatos para 2 vagas, duas pessoas tem reais chances de aprovação, os outros 98… fazem parte da paisagem. Você poderia ser um desse dois iluminados, não é verdade?

Recentemente decidi regravar a [ Aula D 9.1 ] do curso de Estudo e Memorização. Ela é aula suprema, aquela que ensina Como Montar um Plano de Estudo. Agora nossos alunos tem um sistema de planejamento interligando todas as técnicas de aprendizagem, memorização e manutenção de memórias de longo prazo. É um sistema inédito no Brasil.

Conseguimos reduzir o tempo gasto nos estudos em torno de 20% e aumentamos o tempo de fixação de conteúdo na memória, em resumo, com o novo Plano de Estudo aumentamos em 20% as chances de aprovação (é um importante diferencial, concorda?).

Conforme você pode verificar nos depoimentos, um dos nossos clientes foi aprovado em 6º lugar no vestibular para medicina. A concorrência era de 166/1, ele passou em 6º lugar! Excepcional, não é?

Ele seguiu religiosamente o Plano de Estudos que indicamos e conseguiu deixar a concorrência comendo poeira. Garantiu a tão sonhada aprovação.

Se você também estiver interessado em atingir este nível de qualificação e economia de tempo nos estudos, eu o convido a ver os detalhes do nosso curso de Estudo e Memorização.

Acesse o site:
http://renatoalves.com.br/estudo-memorizacao

Assista ao vídeo, veja as diretrizes e aprenda a montar o seu plano de estudo personalizado.
Melhorando as suas habilidades, você melhorará os seus resultados.

Um forte abraço,

Renato Alves

Ps.: Aproveite os últimas dias dos bônus do curso Estudo e Memorização.
Bônus 1: Livro Não Pergunte se ele Estudou
Bônus 2: Kit de Emergência para Provas

Inscreva-se agora e torne-se um NERD nos estudos.
[ Ir para o site]


A receita para ser Aprovado

Na escola pública onde eu estudava, na época de ginásio, tinha um garoto chamado Japa. Oriental, tímido, baixinho e de cabelos “lambidos”, Japa era uma espécie de Ronaldo Fenômeno dos estudos, artilheiro das notas máximas e melhor aluno do colégio. Era consultor dos desesperados e última salvação dos pendurados na lista de recuperação.

Eu era um aluno mediano, não era inteligente como o Japa e nem estúpido como os broncossauros que habitavam o fundão da sala. eu ficava na média, ou seja, tirava nota pra passar de ano, mais nada!

Meu melhor amigo era o Japa e eu era o melhor amigo dele também. Uma força incomum nos unia: o fato de sofrermos bullying quase todos os dias. Eu por ser o único paulista num colégio lotado cariocas, e ele porquê era nerd.

Japa era excessivamente concentrado nos estudos. Não saia da sala nem para ir ao banheiro. Não frequentava o recreio, era avesso às atividades, não gostava de conversar. Certa vez, durante uma aula vaga, resolvi chamá-lo para matar aula. O futebol estava rolando no terreno baldio, que ficava na rua em que morávamos no Grajaú, subúrbio do Rio de Janeiro.

Como de costume, Japa estava sozinho na sala, devorando um livro de 600 páginas. Eu me aproximei, sentei na cadeira do lado, arrastei-a para perto dele que, sem tirar os olhos do livro, perguntou:

“O que foi?”
“Vamos lá fora jogar futebol?”
“Não estou afim.” Respondeu, sem tirar os olhos do livro.
“Esta todo mundo lá, vamos?”
“Não gosto!”

Seria difícil tirá-lo do foco. Resolvi provocar:

“Pô, Japa! Você não participa de nada, não gosta de nada…”
“Gosta de ver TV?”
“Não!”
“Ouvir música?”
“Não!”
“Passear?”
“Também não!”
“De namorar?”
“Gosto, mas ainda sou novo pra isso.”
“Então me diga pelo menos uma coisa que você gosta de fazer.”

Naquele momento ele parou a leitura, sorriu e olhou para mim. Sem dizer uma só palavra ele bateu três vezes no livro que estava sobre a mesa. Insisti:

“Desembucha, Japa, fala do que você gosta?”

“Eu gosto de estudar!”

Achei aquilo uma besteira. Fui embora revoltado, prometendo não chamar o Japa pra mais nada. No verão as aulas terminaram, fomos para colégios diferentes e nunca mais nos encontramos.

Há algumas semanas recebi um email de um dos meus leitores. Primeiro ele elogiou o meu livro e depois falou um pouco sobre sua vida. Explicou que era médico cardiologista de um renomado hospital de São Paulo, morava num condomínio de luxo com sua esposa e três filhos, era dono de uma empresa de seguros e dava aulas na universidade. Seus pacientes o conheciam como, Dr. Yamashita, para mim, o Japa!

Fiquei muito feliz em poder reencontrá-lo, mesmo que pela internet. Me senti muito orgulhoso em saber como ele estava bem. Como havia crescido como profissional, empresário e chefe de família aquele garoto tímido que adorava estudar. Trocamos vários emails e descobrimos muitas coisas em comum, muitas mudanças importantes e outras coisas que não mudaram nada…

Combinamos um encontro.
Eu sugeri uma data.
Ele se desculpou e respondeu que naquele dia não poderia.
Eu perguntei porque, já que se tratava de um monótono sábado.
Ele explicou que no sábado não poderia, porque era um dia especial na semana que ele reservava exclusivamente para estudar.

* * *

Se você quer saber, existe sim uma receita para o sucesso. Mas ela não admite atalhos. Pessoas de sucesso entendem que o verdadeiro prazer eles encontram no ato de estudar. Com a aprovação eles não se preocupam, porque sabem que ela é mera consequência.

Ame profundamente seus estudos e o seu pódio estará garantido.

Viva com foco e disciplina!

Renato Alves – Recordista de Memória.
Autor do livro “O Cérebro com Foco e Disciplina.”
www.renatoalves.com.br


2 Dicas para velocidade e memorização na leitura

Todo apaixonado por livros sonha em ler mais rápido, e não é para
menos: quanto mais rápido você lê, mais conhecimento adquire.

Ler rápido não é um luxo, mas uma habilidade necessária nos
dia atuais, afinal, não paramos mais de receber informações e o
cérebro precisa se adaptar a uma realidade de muita informação e
pouco tempo.

O que fazer para conseguir mais velocidade na leitura?

Velocidade na leitura é resultado de habilidade mental + treinamento mecânico.
Para ser mais exato, a leitura rápida é determinada pela capacidade de concentração
somada a habilidade visual. Isso mesmo: os olhos tem um papel primordial na
velocidade da leitura.

Entenda:

Não são os olhos “aparelhos” de captação de textos?

Pois bem, se os olhos fazem a parte pesada do processo de leitura, então eles
devem ser capazes de trabalhar rapidamente, concorda? Os modernos métodos de
leitura dinâmica tem como objetivo fazer com que você leia entre 300 e 600 palavras
por minuto.

O que significa isso?

Significa que com os olhos bem treinados um leitor é capaz de ler um livro de 200 páginas
em aproximadamente 3 horas; de 2 a 3 livros por semana e dar conta do volume de
informações que precisa dominar para manter sua empregabilidade.

Para ler mais rápido você precisa romper com o condicionamento da alfabetização
(leitura sílaba por sílaba) que aprendemos na escola (que faz com que a leitura seja
lenta) e receber um novo condicionamento com foco na velocidade e compreensão.

Pesquisamos durante muitos anos junto a pedagogos, professores e grandes
nomes da leitura dinâmica mundial quais eram as estratégias mais eficientes para
o treinamento visual. A ideia era organizar um treino que fosse ao mesmo tempo
simples e eficiente, gerando um aumento de 3 a 6x na velocidade da leitura.

Também não queríamos submeter nossos clientes a uma exagerada “fisioterapia
visual” para o treino dos olhos. Foi assim que nasceu o FastRead. Curso de Leitura
Dinâmica, Estudo e Memorização de Textos. [ Clique aqui e veja como funciona ]

Outra questão importante é a memória, afinal, de que adianta ler e no final não
se lembrar de nada, não é verdade?

Como recordista brasileiro de memória aprendi que a memória tem um peso fundamental
no processo de aprendizagem. Na leitura a memória precisa acompanhar os olhos e o cérebro
formando um conjunto de habilidades para aquisição de conhecimento. Para manter a memória
afiada você precisa cuidar da saúde física e mental. Quando você está bem, sua memória fica bem!

O resultado do treinamento visual somado ao maior grau de foco e memorização resulta numa
super capacidade de aprender mais rápido e com qualidade. Minha alegria tem sido ajudar as pessoas
a conseguirem este objetivo. Veja o resultado no depoimento de um de nossos alunos:

“… eu não gostava de ler porque lia muito devagar e pra piorar não me lembrava de
nada do pouco que tinha lido… / …com o treinamento visual eu consegui triplicar
minha velocidade de leitura… / …hoje minha nova habilidade me permite ler pelo menos
um livro por semana.” Guilherme Ruiz – Estudante de Direito

Eu vibro toda semana quando recebo depoimentos como este, porque eu e você sabemos
que a quantidade de informações que recebemos vai aumentar cada vez mais e nosso
cérebro precisa acompanhar esta tendência. A boa notícia é que felizmente as ferramentas
que precisamos estão dentro de nós. Falta apenas aprender a usar!

[ Clique e veja como você pode acelerar em 3x a velocidade de leitura ]

Um forte abraço,

Renato Alves – Recordista Brasileiro de Memória.
Autor do livro: O Cérebro com Foco e Disciplina

PS:. Todas as estratégias de LEITURA DINÂMICA você encontra num só lugar.
O FastRead é um curso completo onde você vai aprender:

• Acelerar a leitura de 3 até 6x (e dar conta daquela pilha de livros)
• Manter o foco e atenção no texto (evitando pensamentos paralelos)
• Compreender o que foi lido (que permite organizar o raciocínio)
• Gravar o texto na memória (citar de memória os detalhes do texto)

[ Clique Aqui e conheça o FastRead ]


Preguiça Mental (como superar este obstáculo e voltar a estudar)

Estamos vivendo um surto de preguiça mental.

Ler o artigo, estudar a apostila, até mesmo passar os olhos no cardápio do restaurante parece mais difícil do que carregar um caminhão de tijolos. A preguiça mental está impedindo muitas pessoas de realizar seus melhores planos e talvez isso esteja acontecendo com você!

Conversei com uma aluna que reclamava que precisava ler Machado de Assis para o estudo do vestibular. Perguntei: E como você pretende passar em Medicina? Lendo gibis da Mônica? O professor ao sugerir o autor queria o melhor, ela, tomada pela preguiça mental, desejava o mais fácil…

A preguiça mental nos leva para a colheita do sofrimento.

Você se lembra da história da formiga e da cigarra? Enquanto a formiga trabalhava e acumulava alimento para o inverno, a cigarra ficava sentada numa sombra, rindo e tocando gaita. Um dia o frio inverno chegou e fez a seleção natural…

Você não pode deixar a preguiça mental tomar conta do seu espírito, sabe por que? Porque formigas ainda existem!

As formigas a que me refiro, são estudantes que neste exato momento estão debruçados em pilhas de livros rachando de estudar; são as pessoas que ao invés de ficar com um fone enfiado no ouvido babando para Ivete Sangalo ou Luan Santana, estão ouvindo as últimas novidades sobre editais dos concursos. Formigas não vão pra balada, vão para o simulado, não leem Contigo, leem atualidades de concurso, não arrumam desculpas, buscam solução.

Se você é estudante, então deve ter um Projeto de Aprovação, não é? Então entenda: ninguém vai estudar por você, ninguém vai fazer as provas por você! Estudo é uma jornada solitária. O seu sucesso é você quem faz!

Lute contra a preguiça mental porque estará lutando por seu futuro. O mundo está cheio de oportunidades, então pare de olhar a paisagem e agarre logo a sua chance.

Deixo aqui 5 dicas para afastar a preguiça mental da sua vida:

1 – Chame para si a responsabilidade! Tenha em mente que, se só ganha na loteria quem joga, só passa no vestibular ou concurso quem racha de estudar. Comprometa-se com o seu futuro e faça o que precisa ser feito. Sem reclamar!

2 – Motive-se. Um dos meus alunos passou no concurso para magistratura. Perguntei o que mais o motivava enquanto estudante. Ele me disse que era ver seu cunhado, promotor de justiça, ganhar 30 mil por mês, tirar férias de 60 dias por ano e licença prêmio de seis meses a cada 5 anos. Esses números o motivavam a seguir firme nos estudos.
Qual é a sua meta?
Escreva na parede, cole no espelho do banheiro e alimente-se dela todos os dias.

3 – Comemore as vitórias. Hoje você estudou até virar os olhos? Então merece um bom banho, uma meia hora de descanso para depois voltar e estudar mais um pouco. De verdade: quem vence no concurso não é aquele que faz corpo mole, é o que aprende mais rápido, detém mais conhecimento, sabe exatamente o que fazer na hora da prova. Se você está no pelotão do meio ou no final da corrida, então não perca nenhum minuto. Acelere e deixe o descanso para quando estiver colhendo os frutos das jornadas intermináveis de estudo.

4 – Não tenha medo de editais e quantidade de matérias, pois eles fazem parte do circo dos concursos. Você tem que saborear a matéria como um sorvete de morango numa tarde quente de domingo. Escreva na parede: NÃO EXISTE SUCESSO SEM ESFORÇO!!! Faça um plano de estudo bem elaborado e confiável e siga-o todos dos dias, rigorosamente.

5 – Dez, vinte, trinta mil por mês… Você quer um salarião, não quer? Então não ache que vai passar no concurso lendo aquelas apostilas xerocadas e super resumidas, ou pescando aqueles vídeos gravados por professores esquisitos no Youtube. Se você é aquela pessoa que só investe em roupas, sapatos, celulares, perfumes e acha um curso de quinhentos reais é caro, então está na hora de refletir: será que a aprovação não acontece porque já passou da hora de investir em conhecimento também? Uma boa estratégia de estudo faz você ganhar tempo, economizar energia e aumentar suas chances de aprovação. Clique aqui e veja uma sugestão.

6 – Aprenda a amar aquilo que faz. Quando você gosta de estudar você transforma as horas de dedicação em horas de diversão. Evidentemente, para você gostar de estudar você precisa saber estudar, caso contrário não produz, desiste e consequentemente se deixa levar pelo desanimo e pela preguiça mental. Fica a pergunta para não dormir a noite: Afinal de contas, você sabe ou não sabe estudar? Se a resposta for não, corra e resolva logo isso!

Sucesso Sempre
Renato Alves.

Aprenda a estudar com rapidez e foco.
Aumente suas chances de aprovação. Clique Aqui


Não basta leitura… ( Você sabe estudar textos técnicos? )

Ler, Reler, Anotar, Ler de novo…

Esta é a rotina da maioria dos estudantes com quem me correspondo.
Uma rotina que deixa a impressão que estudar é um processo de leitura e releitura de textos intermináveis… Entretanto, estudar não é bem assim.

Sabe aquele texto que você lê três, quatro, cinco vezes e não entende nada?

Pois bem, saiba que este texto está conversando com você. E você sabe o que ele está lhe dizendo? Que você pode ler outras 500 vezes que continuará não entendendo nada! Sabe por que? Porque esse tipo de texto você não lê, e sim, estuda.

Deixe-me dizer uma coisa:

Alguns textos você aprende com uma simples leitura, outros exigem estratégias avançadas de aprendizagem, e é esta diferença que muitos estudantes que me procuram não entendem. O sucesso no concurso público esbarra obrigatoriamente num paredão chamado, texto técnico. Textos jurídicos se parecem com uma colcha de retalhos, onde as idéias parecem não fazer o menor sentido. E a linha que você acabou de ler, em segundos desaparece da memória. Não que falte memória, o que falta é conhecimento sobre o funcionamento da memória nos estudos.

Textos técnicos são mesmo um grande desafio, e é por causa deles que a maioria dos seus concorrentes, para sua sorte, abandonam no meio do caminho o projeto de aprovação.

Querer passar num concurso sem saber estudar e memorizar textos técnicos é como querer vencer uma corrida de Fórmula 1 andando de bicicleta. A pessoa não tem a menor chance. E você pode apostar nisso: estudantes que não sabem estudar não tem a menor chance no agressivo mundo dos vestibulares e concursos. Por outro lado, o cenário muda quando realmente sabemos estudar.

Esta semana recebi o depoimento de um orgulhoso pai falando a respeito da aprovação do filho que foi aluno no Curso de Estudo e Memorização. Leia:

“Professor Renato. Está tudo bem? Já há um bom tempo não nos comunicamos. Vou compartilhar uma vitória alcançada; o meu filho mais velho: Pedro Luís (20 anos), passou em 6º lugar no vestibular de medicina da Unoeste (P. Prudente). Ele concorreu com mais de 2.000 candidatos. Já iniciou o curso na última segunda. O Pedro tem uma boa memorização, ele assimila bem. No vestibular, primeira etapa: de 70 questões ele acertou 55 (classificou-se em 12º), na segunda etapa: redação valendo 25 pontos, ele alcançou 23 pontos e na dissertativa de 5 pontos, ele consegui 3,9 pontos. Os 5 primeiros colocados foram mulheres, ele foi cavalheiro, deixou elas tomarem a frente. (Risos) – Luis Amaral – Presidente Prudente, SP”

Você tem um Projeto de Aprovação e sabe que uma boa colocação depende de organização, estratégia de estudo e disciplina. O Curso de Estudo e Memorização comprovadamente aumenta 20% suas chances de aprovação, porque corrige as principais deficiências do estudo. Quer um conselho? Não estude mais nada sem antes ter certeza de que você possui um bom método de estudo e memorização. Eu vou lhe ajudar nisso! Assim, você quebra o padrão inútil de leitura e mais leitura, que serve apenas para tomar seu tempo, gastar sua energia e deixar um eco de frustração em sua cabeça.

Se desejar conhecer um pouco mais do meu trabalho e aumentar 20% suas chances diante da concorrência, acesse o Curso de Estudo e memorização o qual deixo um link aqui para você:

http://renatoalves.com.br/estudo-memorizacao

Avance com força, conservando a paz,
Renato Alves – Recordista Brasileiro de Memória
Autor do livro: Faça seu Cérebro Trabalhar para Você

3 Comentários mais...

Você segue um plano de estudo?

Em 16 anos de estrada pesquisei e descobri que 2% dos estudantes no Brasil seguem um roteiro de estudo. É muito pouco. A maioria por não saber como fazer ou imaginar que exista isso, outros simplesmente por preguiça mental e falta de disciplina. 2% sabem o que estão fazendo quando abrem um livro para estudar, os outros 98% vivem a angústia de sequer saber por onde começar os estudos. Ao mesmo tempo que o estudo é sofrível para a maioria das pessoas, vemos que no Brasil existe um oceano de oportunidades para aqueles que sabem exatamente como estudar.

Você segue um plano de estudo?
Como você distribui as matérias?

Deixe seu comentário abaixo.

Renato Alves
Quer uma ajuda nos estudos?
Acesse: www.renatoalves.com.br

Sem Comentários mais...

5 Dicas para melhorar a memória

Eu gosto das histórias que começam com “Era uma vez…”

A história que vou contar é especial porque tem relação com a forma como eu entrei para o mundo da memorização até obter o primeiro título brasileiro de memória.

Assim como uma boa história, também não esquecemos uma boa dica e por isso quero aproveitar esse “causo” e também deixar para você 5 dicas bem legais para melhorar a sua memória.

Então vamos lá…

Era uma vez um rapaz chamado Ed Cooke. Ele morava na Inglaterra, para ser mais exato, ele morava há alguns meses num hospital da Inglaterra. Fora internado devido a um problema que o impedia de andar. Na flor da idade, tinha apenas 18 anos, não tinha celular, whatsapp, facebook e para espantar o tédio de uma vida no hospital ele resolveu dar uma chance a um presente que ganhara de alguém: um livro de memorização. Ele leu o livro inteiro, aplicou as técnicas, aprimorou outras e assim como aconteceu comigo, ele se apaixonou pelo tema. Cinco anos depois, Cooke era um Grande Mestre de Memória. Ele foi capaz de guardar uma sequência de mil dígitos aleatórios em menos de uma hora, a ordem precisa de 56 cartas de 10 baralhos na hora seguinte, e de decorar livros de 700 páginas. Ele conseguiu, eu consegui e tenho certeza que você também tem essa capacidade, afinal os cérebros dos grandes mnemonistas é igual ao seu.
A diferença é que Cooke e os outros participantes de campeonatos de memória treinam constantemente para aprimorar sua capacidade. Partindo de princípios simples é possível lembrar quantidades extraordinárias de informação.

O sujeito começa decorando a lista de compras e termina sabendo localização e preço de todos os produtos do supermercado. Sem falar, claro, nas vantagens bem palpáveis de lembrar de coisas simples, como saber onde deixou as chaves, a extremamente complexas como o conteúdo daquela prova de vestibular ou concurso. Não existe memória
ruim, e sim memória não treinada.

Seguem 5 super dicas para te ajudar a memorizar o conteúdo das disciplinas e ter foco no estudo e na vida:

Dica 1: Você sabia que esquece metade do que aprendeu só na primeira hora após aprender? Isso se chama a “curva do esquecimento”. Para prevenir sugiro o estudo parcelado. Pegue o tempo que você tem até a prova e divida o conteúdo em 10 partes, dando o mesmo intervalo entre as 10 sessões de estudo. Assim, você só aciona o cérebro quando ele está pronto para reter novas informações.

Dica 2: Lembre enquanto aprende. Essa regra já foi comprovada por vários estudos de Universidades americanas. O recomendado é que feche o livro a cada duas páginas lidas e tente recordá-las. No curso avançado de estudo chamo esta técnica de “confirmação” de conteúdo.

Dica 3: Tire um cochilo após a almoço. É, isso mesmo que você acabou de ler, estudos comprovam que cochilar á tarde ajuda a melhorar a memória. Quem diria, né?
Ok, difícil é encontrar alguém com este privilégio, mas se tiver oportunidade, faça isso!

Dica 4: Mude a fonte do computador. Memorizamos melhor a informação que lemos em fontes que não estamos acostumados ou são difíceis de ler. A explicação é que a dificuldade de processamento de letras não familiares teria como efeito colateral facilitar o armazenamento daquela informação. Uma sugestão? Mude o texto para fonte “Comic Sans”.

Dica 5: Pule etapas. Você não precisa ficar quebrando a cabeça para aprender as melhores estratégias de memorização. Você pode pular etapas focando naquilo que está dando certo. Como? Invista num bom curso de memorização. Um curso que trate o tema com o respeito e responsabilidade que ele merece. Se você tem vontade de entrar para o Clube das pessoas que usam a memória com inteligência, basta acessar o meu site. Lá você encontra todas as informações que necessita. www.renatoalves.com.br

Sua memória é o cofre mais seguro que existe. Confie!

Abraços.

Renato Alves – Recordista Brasileiro de Memória
Autor do livro: O Cérebro com Foco e Disciplina


Copyright © Memorização - Renato Alves. Todos os direitos reservados.
Tema iDream traduzido por WP Total | Movido a Wordpress